DATPs, DLTs e Blockchains

DATPs, DLTs e Blockchains

Mercado e Tendências
5 de setembro de 2019 por Courtnay Guimarães
395
Status do Mercado, Q3, 2019. Setembro 2019, hora de apurar o mercado! Como já falado no meu tutorial do ano passado, a evolução do mercado passou por 2018 e pelo primeiro semestre de 2019 de uma maneira surpreendente: Os projetos abertos (DATPs) não evoluíram como pensado, por uma questão simples, falta de uso. Os projetos
Banner sobre DATPs, DLTs e Blockchain
Blog 1 - DATPs, DLTs e Blockchains
Best ever 🙂

Status do Mercado, Q3, 2019.

Setembro 2019, hora de apurar o mercado!

Como já falado no meu tutorial do ano passado, a evolução do mercado passou por 2018 e pelo primeiro semestre de 2019 de uma maneira surpreendente:

  • Os projetos abertos (DATPs) não evoluíram como pensado, por uma questão simples, falta de uso.
  • Os projetos de redes permissionadas, subvalorizados pelos cypherpunks (menos Bitcoin mais “blockchain”) se consolidaram como reais, ao ponto de se tornar empresas de super apps, como o Moeda Seeds, até joint ventures, como a TradeLens da IBM/Maersk.
  • O mercado de d.Apps patina a olhos vistos, conforme relatório da Outlier Ventures e gráfico abaixo:

 

Daily Average User Across

 

  • Com previsto no final de 2018, a turma das Big Tech (BATFAANG) entrou no jogo, mudando completamente a estória.

 

The Digital Companys

 

  • A notícia mais impactante do ano, “so far”, foi o lançamento do consórcio Libra, movendo corações e mentes do mundo todo e desencadeando todo um ciclo de efeitos em cascata.
  • Os bancos centrais acordaram para o mundo dos cripto ativos, e além de declarar que passaram a pensar seriamente no assunto, alguns formularam idéias mais concretas.
  • Dentre eles, o PBOC foi agressivo e não só divulgou a estratégia, como já declarou abertamente como fará o desdobramento da mesma seguindo seus players de mobile payments (Alipay, Tencent, etc).
  • Concorrentes poderosos, como WallMart, que ficaram de fora do consórcio, resolveram criar caminho próprio (ou pelo menos anunciar que o fariam, através de patentes).
  • O mercado de especulação de tokens teve uma mini-reação, animando os traders.
  • A bolha de ICOs realmente desapareceu, a de STOs nem começou e uma nova, de IEOs está começando a surgir. Quem viver, verá…

Ufa…Resumo de hoje (03/09/2019) de trocentos eventos ao mesmo tempo, mundo afora.

Publicidade:

Banner Bitcoin Taxa Zero

UM IRON MAN.

Plataformas Abertas

Na prática, tudo isso é apenas uma imensa maratona, uma espécie de ultra maratona, as DATPs estão em ebulição ainda (mais de 2.000 projetos no mundo todo) e ainda nem elegemos um vencedor, nem existe a aplicação que define a categoria.

O Gartner mantém sua análise ampla das tecnologias envolvidas, como vemos no hype cycle de julho/2019 abaixo, mas sem determinar ainda qual o futuro plausível.

 

Gartner Hype Cycle jul 2019
Gartner Hype Cycle jul 2019

 

Em resumo, estamos na primeira fase do Iron Man, a natação, onde todos os players ainda estão embolados juntos e não se consegue diferenciar um do outro.

Plataformas Permissionadas

Como dito acima, andando de vento em popa. Notável destaque para os players que não estão no mainstream (sim, existem também trocentas plataformas permissionadas) sendo escolhidas para missões críticas. Menção honrosa para a turma da Simba Chain, escolhida pelas forças armadas americanas.

Temas originalmente libertários também rumam para as permissionadas. STO, dentre eles, tem no CORDA seu ambiente perfeito.

Como escolher um projeto?

Desde 2016 mantenho a mesma posição: Escolher uma DATP ou uma DTP para apostar parte do seu projeto de Digital Endeavor é o mais crítico casamento tecnológico a ser feito no momento. Qualquer founder ou gestor de inovação ainda se ve diante deste quadro (que uso desde então):

 

Blog 5 - DATPs, DLTs e Blockchains

 

Talvez por isso, a decisão de empresas como JP Morgan e do consórcio Libra sejam desenvolver suas próprias soluções, partindo de códigos atuais open source ou simplesmente reconstruindo tudo do zero, com base no conhecimento adquirido nos últimos anos. Veremos…

A ULTRA MARATONA DO SÉCULO — O BRASIL NESTA TEMPESTADE.

Neste cenário, o Brasil se mostra correndo uma prova mais complexa, uma ultra maratona (quem lembra do Eco Challenges vai entender), mas temos boas notícias.

Arcabouço Jurídico mais estável.

Nos últimos três meses tivemos ótimas notícias que trouxeram clareza ao setor.

A Receita Federal normatizou os reports de posse de cripto ativos, o BACEN, a SUSEP e a CVM criaram um projeto de Sandbox e temos uma nova perspectiva no congresso sobre o projeto de lei do setor. Aparentemente, terminaremos 2019 com uma base sólida e clara nestes aspectos.

Como cereja do bolo, o escritório da C2Law acaba de terminar um projeto, proprietário e apenas para clientes, com um arcabouço de recomendações (um manual) para atendimento das regras de prevenção à lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo. É aplicável a qualquer empresa que use criptoativos, como Asset, fundo, banco, Exchange, OTF, OTC, security token ou Exchange. Segundo Evandro Camilo, está pronto para atender demandas que possam constar da sandbox da CVM e Bacen, uma vez que eles usaram toda a experiencia internacional (Brasil, Suíça, Malta, USA e Singapura) e da especialização de um dos seus sócios, Dr Evandro Camilo. Acredito que trabalhos como esse entregarão ao mercado uma grande alavanca para trazer segurança jurídica não só aos players do setor, como para os bancos que fazem negócio e interface com os mesmos.

Pesquisa e Desenvolvimento

As universidades brasileiras, finalmente, acordaram para o assunto, começamos a ter centros específicos nas principais casas, além de institutos usando conhecimento aplicado em setores, como o CPQD que está criando um projeto de comercialização de energia elétrica, em conjunto com a COPEL.

Temos uma DATP de segunda geração pra chamar de nossa!

Finalmente, depois de muito penar, começam a aparecer os projetos brasileiros de plataformas, como a Hathor que entra em produção agora em Outubro.

Temos nossa própria super app, com uma missão incrível

Enquanto tudo isso rola, o mundo das super apps (as organizações pós-digitais, que englobam serviços de diversas indústrias em uma só rede) crescem em ritmo avassalador mundo afora. E o que isso tem a ver com DATPs e DTPs? Simples, estas são a expressão prática da killer app da tal web 3.0.

Meu melhor exemplo (minha maior paixão, na verdade) é um projeto de banco global de fomento para iniciativas de impacto sócio-econômico, o Moeda Seeds. Uma mistura de BNDES, cooperativa, centro de doações, stable coins e portais de empreendedorismo social, a aventura promete catalizar o complexo mundo de projetos espalhados pelo mundo num único ambiente.

CONCLUSÃO

“Que vivamos em tempos interessantes”, diz a maldição chinesa. Há 35 anos (minha carreira inteira em tecnologia), vivo neles. E a perspectiva de convergência absoluta é só de se intensificar!!

Sobre o Autor:

Courtnay Guimarães Jr – Executivo especialista em transformação de negócios e indústrias através da tecnologia. Atua há 35 anos no mercado de tecnologia, estando focado disrupção nos últimos 10 anos. Atualmente é head de inovação, na BRQ Digital Solutions, além de empreendedor no setor de educação, voluntário como Market Advisor em projetos que acredita, fundador da Cognos School e pesquisador do impacto da convergência tecnológica na cultura e sociedades. Graduado em Ciências Econômicas, pós graduado em Marketing, com certificates em Financial Markets, High Frequency Trading e doutorando em Ciência da Computação, ênfase em Convergência Tecnológica, sobre TAXONOMIA DE PLATAFORMAS BLOCKCHAIN.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são de responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião da XDEX ou de seus controladores.

Adicionar um comentário